Congress Resources: Papers, posters and presentations

< Return to abstract list

Importance Of The Expansion Of Water Works To Achieve The Sustainable Development Of Cities And The Optimization Of Management

Congress: 2015
Author(s): Nyadja RAMOS, Almir CIRILO

COMPESA1, SECRETARIA INFRAESTRUTURA2



Keyword(s): Sub-theme 10: Management of water resources,
Abstract

With the development of cities some basic infrastructure items become indispensable to the healthy growth of a company and the water is one of the most important inputs in this context. On the other hand consumption has increased each day, due to its use in the most diverse uses, but also due to the population growth of cities, and especially in the face of economic development. It also notes more and more each day that is not only in arid regions that becomes urgent discussion about the demands and offers of water to meet the most varied uses, generally is noticed in areas of Brazil that historically had problems with water scarcity, as in the southeast of the country, that these problems are emerging and generating serious problems the populations of large cities. Proper planning of rational use of water is necessary in order to identify places where there is water scarcity of water and minimize the various existing conflicts, such as the human supply, irrigation, animal sedentação, agriculture, energy and others. The use of technologies with tools able to plan and manage water resources in an integrated manner has become frequent. In the quest to solve the complex problems in the use of water resources, throws up hands of techniques and tools that can assist in the process of analysis, operation, planning and decision-making in water resource systems. Generally the simulation models are most appropriate for the performance of operational alternatives analysis of long term, being useful to represent the operation of the system with a high degree of security. Although not directly generate an optimal solution, can reveal a solution at least close to the great, when alternative policies are generated through numerous rounds of the model. The optimization models apply to cases in which interested the great operating system alternative and where they are applied, preferably for a small time interval. These models use algorithms to select optimal solutions systematically, seeking to satisfy an objective function and operational restrictions. The efforts by the Governments of semi-arid areas have advanced in pursuit of improving the water infrastructure, however, this effort still is, globally, insufficient to solve the problems arising from the shortage of water (CIRILO,2008) Over the past 10 years shows a considerable advance on the advancement of investment in water works in Pernambuco, as the construction of large dams, alternative options for increasing the damming process in small and medium businesses, deploying long pipelines, integrated use of wells and the transposition of flows between river basins such as the rio São Francisco, with construction already underway as the pipeline of Agreste. We emphasize that, in the specific case of Pernambuco, there are very specific characteristics in which we emphasize the existence of dams that serve various locations and in many situations to enable this water adduction is required the deployment of large aqueducts with several kilometers long where the effective management of these systems is essential to the sustainability of water to the populations of the regions concerned. Within this context, sought to develop a model of integrated simulation applying optimization techniques, designed to simulate the use of water among the different sectors in a water system. Has as goal, planning and integrated management of water resources with a view to reducing risks of shortages and, consequently, the pursuit of sustainability and minimizing conflicts. Among the specific objectives of this study were: to identify the contribution of hydro works deployment in the semi-arid region of Pernambuco State, against a backdrop of historical occurrences of droughts, analyzing the technical aspects, economic and social; Diagnose the current situation of water availability, correlating the current existing water production, supply and demand relationship of locales, comparing the 2014 2037 taking as a basis the increase of water through the allocation via pipeline from the wild;Identify whether there will be need for works of expansion of production from existing producers, systems or other system producer complement to localities that will be attended to by the pipeline of a rural and Draw water allocation scenarios for the current scenario and future (2014 and 2037) by means of a simulation model, based on sequential linear programming, to allocateso great, the water availability between the demands; flow network modeling in order to contribute to the management of water supply systems of semi-arid; The methodology adopted for the development of this work consisted primarily in conducting a literature review involving subjects pertinent to the theme of the study involving the integrated management of water works, in order to conceptualize and substantiate the theme chosen; in documentary research environmental legislation and urban planning, maps and photographs; on quantitative and qualitative data collection. Later in the Organization of the collected material, use of modeling for obtaining data for the diagnosis of the study area. In the Brazilian semi-arid region, as well as in many areas of the planet, millions of people lack access to safe drinking water, a fact that may not necessarily be credited the shortage, but also to serious management problems, such as the high rate of loss of distribution systems. The results show the importance of the expansion of water works to achieve the sustainable development of cities and the optimization of management is critical to optimize water resources in a region marked by shortage of water. The critical situation of water resources calls for the attention of designing the future scenarios of public policy and as a proposal introducing the discussion of some fundamental points to the confrontation of the water crisis in the Agreste Pernambucano in the coming years.

ADELMAN, Irma. Teorias do desenvolvimento econômico. São Paulo, Forense, 1972. ALBUQUERQUE e VILLELA. A situação social do Brasil: um balanço de duas décadas. In: VELLOSO, João Paulo dos Reis (Org). A questão social do Brasil. São Paulo: Nobel,1991. ALENCAR, F. et al. História da sociedade brasileira. Rio de Janeiro, Ao Livro Técnico S.A., 1985. ALTIERE, M. Agroecologia: Bases Científicas para uma agricultura alternativa. Guaíba: Agropecuária, 2007. ALTMANN, W. (1981). A temática dos indicadores sociais e sua resultante atual: a qualidade de vida. Indicadores Sociais de Sergipe, Aracaju, v.3, p.187-204. ANÁLISE setorial: saneamento básico. São Paulo: Gazeta Mercantil, mar.1998. v.1. ANTUNES, P. B., 2000. A justiça e o direito à água limpa. In: CAUBET, C.G. (Org.), Manejo alternativo de recursos hídricos.p.70-78.Florianópolis:Imprensa Universitária,Universidade Federal de Santa Catarina. ARAÚJO, T. B. Desenvolvimento local: possibilidades e limites. Recife, mimeo. 1997. Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil -- versão 1.0.0. Software contendo os dados do IDH dos municípios brasileiros. 2003. Disponível em . Acesso em 26 de julho de 2010. BANCO MUNDIAL. World development report, 1994: Infraestructure for development.Washington, 1994. ________________. World development report, 2003: Infraestructure for development.Washington, 2003. BARAT, J. Introdução aos problemas urbanos brasileiros: Teoria, análise e formulação de política. Campus. R. J. 1998. BECKER, B. K. e EGLER. C. A. (1993): Brasil, Uma Nova potência Regional na Economia- Mundo. Bertrand -- Brasil, Rio de Janeiro. BENITEZ, R.M. O capital social fixo como insumo do desenvolvimento regional. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 29, n.2, p. 143- 157, abr./jun. 2005. BEZERRA, N. F. Água no semiárido nordestino. Experiências e desafios. Fundação Konrad Adenauer, Fortaleza, Série Debates n. 24, dezembro 2002 BIEHL, D. Las infraestruturas y el desarrollo regional. Papeles de Economia Española, Madrid,n35,p293-310,1988. BIELSCHOWSKY, R., et al. Investimentos e reforma no Brasil, Indústria e infraestrutura nos anos 1990. Brasília: IPEA/CEPAL. Escritório no Brasil, 2002. BIOASSESS. Conceito de Indicador, 2000. Disponível em: http://www.igeo.pt, acessado em 20 de maio de 2010. BOTTER, Marco. Conjuntura nacional das privatizações em saneamento. 2001, disponível em: http://www.abcon.com.br/artigomabotter.doc, acessado em 4 de janeiro de 2010. BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos (1986) Lucro, Acumulação e Crise. São Paulo: Editora Brasiliense, 2008. BRITO, L.T. et al. Barragem subterrânea.I: construção e manejo. Petrolina: Embrapa-CPATSA, 1989. 39p. il. (Embrapa-CPATSA. Boletim de Pesquisa, 36). BUENO, Eduardo. Passado a Limpo - História da Higiene Pessoal no Brasil. Editora Gabarito: São Paulo, 2007. CALMON, K. et alii. Saneamento: as transformações estruturais em curso na ação governamental -- 1995/1998. In: Infraestrutura: perspectivas de reorganização; saneamento. Brasília: IPEA,1999. CALSING et al. (1984). Situação sócio-econômica dos municípios: Estado de Sergipe. Brasília: CNRH/UNICEF. (Instrumentos para a Ação, 1). CAMPELLO NETTO, M. S. C. et al. Manejo integrado de água no semiárido brasileiro. In: CIRILO, J. A. et al. (Org.) O uso sustentável dos recursos hídricos em regiões semiáridas. Recife: ABRH - Editora Universitária UFPE, 2007. CAMPOS, J.NILSON BEZERRA.Vulnerabilidades hidrológicas do semiárido às secas.Planejamento e políticas públicas,Brasília, p.261 -294,dez.1997. CANÇADO, V.L; COSTA, Geraldo Magela. A política de saneamento básico: limites e possibilidades de universalidade. Apresentado no Seminário sobre a Economia Mineira, Belo Horizonte. IGC/UFMG, 18 a 22 de junho de 2002. Disponível em http://www.cedeplar.ufmg.br. Acessado em 3 de setembro de 2010. Carvalho, P.C.M.: Água potável via energia solar; Ciência hoje, volume 27, número 158, março 2000. CAVALCANTI A. L. História de Garanhuns. Recife: FIAM/CEHM, 1983. CERVINI, R. A. (1985). Ordenamento e desigualdades infra-regionais: o caso do Nordeste. In: CALSING, Elizeu F. et al. Desigualdades sociais no Nordeste. Brasília: CNRH/UNICEF. (Instrumentos para a Ação, 2). CHICK, Victoria. "On open systems". Revista de Economia Política 24(1): 3-16, 2004. CIRILO, J. A.; COSTA, M. R.; ABREU, G. H. F. G.; BALTAR, A M.; AZEVEDO, L. G., Soluções para o suprimento de água de comunidades rurais difusas no semiárido brasileiro: avaliação de barragens subterrâneas. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.8, n.4, p.5-24, out./dez.2003. _________, J. A. et al. Soluções para o suprimento de água de comunidades rurais difusas no semiárido brasileiro. Avaliação de Barragens Subterrâneas. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, p.5-24, 2010. _________, J. A., CAMPELO NETO, M. S., MONTENEGRO, S. M. G. L., ASFORA, M. C. A. (2007). Capitulo 2. Caracterização do semiárido brasileiro. O uso sustentável dos recursos hídricos em regiões semiáridas. Editora Universitária, Recife -- PE, 1 ed., p. 33-63. COIMBRA, J. A. A. O outro lado do meio ambiente: uma incursão humanista na questão ambiental. Campinas: Millennium, 2002. COSTA, T. C. N. A. (1975). Considerações teóricas sobre conceito de indicador social: uma proposta de trabalho. Revista Brasileira de Estatística, Rio de Janeiro, v.36, n.142, p.167-176, abr./ juri. CRUZ, F. O. et al. Infra - estrutura e desenvolvimento regional:uma análise multivariada dos estados brasileiros no período de 2000 a 2004. IV Encontro de Economia Baiana. Setembro, 2008. CVJETANOVIC, B. Health efects and impacts of water supply and sanitation. World Health Statistics Quarterly, 1986. DGA (Direção Geral de Ambiente) (2000). Proposta para um Sistema de indicadores de Desenvolvimento Sustentável. DGA, Ministério do Ambiente e Ordenamento do Território, Lisboa. DIMENSTEIN, Gilberto (1991). Campeonato de qualidade de vida. Folha de São Paulo, São Paulo. DOW, S.C. The Methodology of Macroeconomic Thought. Cheltenham: Elgar Press,1996. FRANCA, D. T. Água de chuva: alternativas tecnológicas para a convivência com a seca e sistemas de abastecimento da população rural difusa no semiárido brasileiro, 2006. MMA/ANA. www.ana-mma_convivencia_seca. Acessado em 05.01.2010. FREITAS, V. P. Águas: Aspectos jurídicos e ambientais. 3 ed. Curitiba: Juruá, 2008. FRISCHTAK, C.R. Investimento em infraestrutura no Brasil: histórico recente e perspectivas. IPEA, 2009. FUKUDA-PARR et al - Relatório Do Desenvolvimento Humano 2004 Liberdade Cultural num Mundo Diversificado. Lisboa: Mensagem - Serviço de Recursos Editoriais, 2004. FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. População idosa em Minas Gerais e políticas de atendimento. Belo Horizonte, 1997, v. 1: Perfil da população idosa e políticas de atendimento na Região Metropolitana de Belo Horizonte. FURTADO,C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro:Ed.Fundo de Cultura,1962. GALL et al. Lo verdaderamente importante. Desarrollo Mundial, New York,p. 04-12, jun. 1990. GARJULLI, R. Os recursos hídricos no semiárido, 2003. Disponível em: . Acesso em: 18 de julho de 2010. _________Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Apresenta informações sobre dados estatísticos nacionais. Disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2010. IPEA. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) - Relatório Nacional de Acompanhamento. Brasília: IPEA, 2005. IPEA. Diagnóstico do Setor de Saneamento: Estudo Econômico e Financeiro, Brasília-DF: IPEA, 1995. IPEA. Diagnóstico do Setor de Saneamento: Estudo Econômico e Financeiro, Brasília-DF: IPEA, 2004. JANNUZZI, P. Indicadores sociais no Brasil. Campinas: Ed.Alínea, 2003.141p. JATOBÁ, J. A dinâmica econômica do Nordeste no contexto da economia nacional e as políticas de desenvolvimento regional. In: Sudene. Dinâmica da economia e absorção de mão-de-obra. Anais do Seminário. Recife: Sudene/Massangana, 1984 (Série População e Emprego, n. 18). KELMAN, J. Gerenciamento de recursos hídricos. Anais do XII Simpósio, v.1, partes I e II. Vitória, 16-20 nov. 1999. KLEIN, H.S. A oferta de muares no Brasil Central: o mercado de Sorocaba, 1825 -- 1880. Estudos Econômicos. V.19, n.2, maio/ago. 1969, p.347-372. LERAY, G. Planete Eau. Paris: La Villete Presses Pocket.1982. LIEBMANN, H., 1979. Terra, um planeta inabitável: da antigüidade, até os nossos dias,toda a trajetória poluidora da humanidade. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército. METCALF E EDDY (1979). Wasterwater engineering: treatment, disposal and reuse, 2 ed. New York: Mcgraw-Hill.920 p.; 23 cm. MILONE, Paulo César. Crescimento e desenvolvimento econômico: teorias e evidências empíricas. In: MONTORO FILHO, André Franco et alii. Manual de economia. São Paulo: Saraiva, 1998. MONTENEGRO GÓMEZ, Jorge. Políticas públicas de desenvolvimento rural e o projeto de reforma agrária do MST no Noroeste do Paraná: uma contribuição ao entendimento do conflito capital x trabalho, da gestão territorial do Estado e do controle social do capital. 2002. 230 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)/ Univ. Estadual de Maringá, Maringá, 2002. MORTARA, G. Crescimento da população entre 1872 e 1940. In: Pesquisas sobre populações americanas. Rio de Janeiro, FGV. 1947. apud Camargo, A. B. M. & Saad P. M. (1990). MYRDAL, Gunnar (1957). Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. Rio de Janeiro. NASCIMENTO, F. M. F.; CARVALHO, J. E. ; PEIXINHO, F. C. Sistema de Informações de Águas Subterrâneas - SIAGAS: Histórico, Desafios e Perspectivas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS,15, 11-14 nov, Natal. Anais. Natal: ABAS, 2008. NORTH, D. C.Teoria da localização e crescimento econômico regional.In: SCHWARTZMAN,J.(org.). Economia regional: textos escolhidos. Belo Horizonte: CEDEPLAR,1977.P.291-314. NOVAIS F. A. IN MELO E SOUZA. História da vida privada no Brasil, 1: cotidiano e vida privada na América portuguesa. (organizadora de volume). São Paulo. Companhia das Letras, 1997. OLIVEIRA, Anderson. Saneamento Básico no Brasil: Limites e possibilidades de atuação do setor privado. Salvador, 2004. PARTIDÁRIO, M. Estado da arte sobre os indicadores, 2000, texto disponível em panda.igeo.pt/beot/HTML/indicadores/estado_arte_ot.pdf PERROUX,F. A economia do século XX.2a Edição.Lisboa :Editora Herder,1977. PNAD - Programa Nacional por Amostras de Domicílios, 2005. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/poplacao/trabalhorendimento/pnda2006/default.shtm. Acesso em 16 julho 2010. PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento: apresenta informações sobre o programa e conceitos dos indicadores. Disponível em . Acesso em 24 de julho de 2010. PROJETO ÁRIDAS. Nordeste: uma estratégia de desenvolvimento sustentável. Brasília, 1994. p.217. RATTNER, Henrique (1977). Indicadores sociais e planificação do desenvolvimento. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v.l7, n.1, p.2l -27. REBOUÇAS, A. C., 1997, Água na Região Nordeste: desperdício e escassez. Estudos Avançados - USP 11 (29) p 127 -- 154. REIS, A. Comissão de Estudo das Localidades Indicadas para a Nova Capital: relatório. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional,1893. REYES, Giovanni E. Four main theories of development: modernization, dependency, word-system and globalization. Nómadas, Revista Crítica de Ciencias Sociales y Jurídicas. n. 4, jul.-dez. 2000. Disponível em: . Acesso em: 25 julho 2010. REYMÃO, A. E. Acesso a água tratada e insuficiência de renda: duas dimensões da pobreza no nordeste brasileiro sob a ótica dos objetivos do milênio. Boletim da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica. IPEA, 2007. REZENDE, S. C.; HELLER, L. "O Saneamento no Brasil - Políticas e Interfaces", Escola de Engenharia da UFMG - Editora UFMG (2002). RIBEIRO, M.B. Rede de Açudes do Nordeste -- a Maior do Planeta Terra, 2008. Disponível em: http://palavrastodaspalavras.wordpress.com acessado em 12/8/2010. RICHARDSON, H.W. Economia regional: teoria da localização, estrutura urbana e crescimento regional. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. ROSTOW, W. W. The stages of economic growth: a non-communist manifesto. Massachussetts: Cambridge University Press, 1960. SACHS, W. Dicionário do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. SANTA ROSA, E. & AZEVEDO JR., M.T. (eds.) A comissão construtora e o saneamento da nova capital. In: SANTA ROSA. & AZEVEDO JR., M.T. Saneamento Básico em Belo Horizonte: trajetória em 100 anos - Os serviços de água e esgoto.Tomo III, Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro/COPASA/Governo de Minas Gerais, 1996. SAUNDERS, R.; WARFORD J. Abastecimento de água em pequenas comunidades; aspectos econômicos e políticos nos países em desenvolvimento. ABES, Rio de Janeiro, 1983. SCHWARTZMAN, J. A teoria da base de exportação e o desenvolvimento regional. In: HADDAD, P.R. (Ed.). Desequilíbrios regionais e descentralização industrial. Rio de Janeiro: IPEA/IPLAN, 1975. p. 37-94. SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL -- SEMAD. Instituição. Disponível em: http://www.semad.pe.gov.br, acessado em 10 de março de 2010. SEERS, D. et al. Underdeveloped Europe: studies in coreperiphery relations. Brighton: Harvester Press, 1979. SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, Companhia das Letras, 2000. SETTI, A. A., 2001. A necessidade do uso sustentável dos recursos hídricos. Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. SHUVAL, H. I et al, 1981. Effect of investments in water supply and sanitation on health status: A threshold-saturation theory. Bulletin of the World Health Organization, 59:243-248. SILVA et al. Alternativas de captação, conservação e uso da água para abastecimento do meio rural. EMBRAPA - Petrolina -- PE, 2007. SILVA, J.A.S. Turismo, crescimento e desenvolvimento: uma análise urbano-regional baseada em cluster. 2005. 480 f. Tese (Doutorado em Ciência da Comunicação) -- USP, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2004. SOARES JUNIOR; QUINTELLA. A instrumentalização do Desenvolvimento: teorias, conceitos e Indicadores, O&S - v.15, n.45, Abril/Junho, 2008. SOMARRIBA, Maria das Graças G. A medicina no escravismo colonial. Belo Horizonte, UFMG/FAFICH, textos de sociologia 1, 1984. SOUZA, Nali de Jesus. Desenvolvimento Econômico. 4 ed., São Paulo : Atlas, 1999. __________________. Desenvolvimento Econômico. 5ed. São Paulo: Atlas, 2005. SUASSUNA, J. Contribuição ao estudo hidrológico do semi -- árido nordestino. Recife: FUNDAJ, 1999. 64p. SUDENE. Proposições preliminares de qualidade de vida e indicadores sociais para o Nordeste, (s.n.t.), 1975. ________. Sistema regional de indicadores sociais (SIRIS). Recife: Coordenação Planejamento Regional 76p, 1980. SUETONIO MOTA. Seminário: Água e desenvolvimento sustentável do semiárido. Fortaleza, 2002. SULLIVAN et al. Integração of the biophysical and social sciences using an indicador approach: addressing water problems at different scales. Water resourcers management, 21: p. 111- 128.2007. TELLES, P. C. S. História da Engenharia no Brasil (Séculos XIV à XIX). Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, v.1. 1993. TIGRE, C. B. - 1949 - Barragens subterrâneas e submersas como meio rápido e econômico de armazenamento d'água. Anais do Instituto Nordeste, 13-29. TUROLLA, F.A. Política de saneamento básico: avanços recentes e opções futuras de políticas públicas. Brasília: IPEA, dez. 2002. 26p. (Texto para discussão, 922). VASCONCELOS, Marco Antonio; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de economia. São Paulo: Saraiva, 1998. VEIGA JOSÉ ELI DA. Desenvolvimento sustentável: O desafio do século XXI. Garamon. 3a edição. Rio de Janeiro, 2008. VERGOLINO, J. R. Padrões de crescimento e mudanças espaciais no Nordeste. Banco do Nordeste, Fortaleza, 2003. VILLA, M. A. Vida e morte no sertão. História das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. São Paulo: Editora Ática, 2000. WINSLOW, C.-E. A. The unitilled fields of public health. Science, v. 51, n. 1306, p. 23-50, Jan. 1920. WORLD BANK. 1993. Relatório sobre o desenvolvimento mundial. Washington DC: World Bank. (Publicado no livro Qualidade de Vida e Riscos Ambientais, Selene Herculano et al. (org.). Niterói: Eduff, 2000.

2011 IWRA - International Water Resources Association office@iwra.org - http://www.iwra.org - Admin